terça-feira, 11 de setembro de 2018

Ahhhhh, a espetaculariedade dos Imagine Dragons

Lisboa, setembro, Imagine Dragons.
Bendita a hora! Bendita a hora que comprei o raio dos bilhetes.
Um foi para presente de aniversário do meu irmão. A desculpa perfeita para aproveitar também. Portanto, aniversário em Junho, concerto em Setembro, bilhetes comprados em Maio. Em Julho lembro-me de confirmar se a sala estava cheia ou não e eis que já não havia bilhetes.
Fiquei pasmada, conhecia a banda, as músicas mais conhecidas mas nunca os segui a fundo.
Obrigado meu irmão.
Começo a ver vídeos, ouvir músicas e adoro. Decorei as minhas preferidas e cantei-as dramaticamente no concerto. Com bracos no ar, mãos abertas e tudo. Transmite muita emoção algumas delas e em pleno concerto é fascinante como TODAS, mas mesmo TODAS as músicas ganham uma dimensão completamente diferente. Agora a ouvir no rádio não é só mais uma música a tocar, é toda uma profundidade sonora. Primeiro porque a memória do concerto está muito recente e ainda imagino no momento e segundo porque fiquei a adorar ainda mais.

Sobre o concerto.
Opah, se eu disser muito bom é pouco.
Um rufar de tambores ao iniciar em que vêm todos os elementos da banda. Cada um vai assumindo a sua posição até que acalmam e explodem com a Radioctive. Pooowww pavilhão ao rubro aos cinco segundos !! É que já estava tudo de braços no ar ! Foi muita emoção num muito curto espaço de tempo. Ainda pra mais que o vocalista entra em palco sem t-shirt. Sim. Só um calçãozinho, uma meia pé de gesso e umas tilhas.  Simples assim. Não é giro, mas é jeitoso. Não se pode ter o melhor de dois mundos né... O baterista também não tinha camisola mas pelo menos tinha um colete daqueles refletores das obras vestido. Vá, vinha mais compostinho. Um guitarrista estava fardado a tropa e tinha um fio com um dólar gigante. O outro estava normal. Bah.
Isto pra perceber o quê ? Que quando estás pela qualidade da música o resto pouco interessa.
A voz. Igual. Igual ao vivo como se ouve no rádio. É que meu deus. O gajo é bom.

Houve confetis. E eu ADORO confetis!

Entretanto tocavam a "next to me", minha favorita, e a "natural". E esta tem muito power.  Experimentem a conduzir de carro, vidros abertos e esta música bem alto. Num concerto ao vivo foi 50 vezes melhor a sensação. Lindo. Fantástico mesmo. Memorável. Amei.

Continuaram um brilharete. Fiz stories no Instagram. Sortudos os que viram.

Ao longo do concerto foram passando mensagens de valorização da nossa vida, e do quanto somos sempre importante para alguém. Chegou mesmo a dizer "nunca acabem com a vossa vida", e a motivar as pessoas que estão a passar por uma fase depressiva e difícil. Foi meio dramático e tal mas depois partiram tudo e aposto que ali ninguém estava a lamentar o momento de estar a viver aquele concerto. Aliás, grande parte das letras das músicas é a transmitir isso mesmo, motivação e formas de estar na vida. Qualidade de som e mensagens bonitas.

Arrebentaram tudo quando terminaram com a "believer". Que potência! Acabou mesmo quando estás sedento por mais.

Houve balões, 5 vezes confetis e fumos.
Roupa é que pouca, mas quem precisa de roupa quando se tem qualidade ?

Sem comentários:

Publicar um comentário